Análise - Resident Evil 5 Gold Edition

Resident Evil 5 ou Biohazard 5 no japão ,  desenvolvido pela Capcom foi e lançado para PlayStation 3 , Xbox 360 em março de 2009 e depois em setembro do mesmo ano para pc, o jogo teve uma nova versão lançada em meados 2010 Leia mais

M. Bison é revelado em novo trailer de Street Fighter V

Hoje a Capcom divulgou um novo trailer de Street fighter V, mostrando um pouco mais do regressante Charlie e, principalmente, o antagonista mais famoso da série, Mike Bison(ou Vega, se você for japonês). Sem mais delongas, confiram o trailer: https://www.youtube.com/watch?v=epPou9RzeKM Nada muito diferente do que estamos acostumados, Leia mais

Grandes amigos virtuais

Olá seres viventes, mulheres, homens e girafas, bem ao longo de nossas vidas vamos fazendo inúmeras amizades, algumas se destacam das outras, com tempo os games vão trazendo mais e mais personagens interessantes que criamos um sentimento de amizade Leia mais

Yoshimitsu agora é alguma coisa parecida com um alien polvo

Essa semana a Namco revelou o visual novo do Yoshimitsu para o Tekken 7 e ele é mais diferente do que podíamos esperar.Yoshimitsu apareceu em todos os Tekken desde o primeiro, sempre com um visual diferente, então já podíamos esperar por alguma Leia mais

Saudades de uma época: A Super Game Power

postado em by levelcom categoria Análise | Deixe um comentário  

Foi-se a época em que acompanhar os jogos, pegar dicas, saber das notícias e estréias de games não eram coisas facilmente acessíveis como são hoje em dia. Se compararmos com a atualidade a Internet dinamizou a comunicação e hoje em dia a informação chega com muita rapidez. Blogs, sites, twitter, facebook, fóruns online, todas essas coisas agilizaram a comunicação entre os gamers, e agora qualquer simples notícia se torna conhecida. Mas como era em 1994?

Vamos relembrar que em 1994 aconteceram muitas coisas que marcaram o Brasil.

  • Morte do Ayrton Senna
  • Implantação do Plano Real
  • Eleição do Fernando Henrique Cardoso
  • Brasil ganha a Copa do Mundo
  • Cavaleiros do Zodíaco estréia na Manchete (boom de otakus brasileiros)
  • Boom do Super Nintendo no Brasil

Dentre todos esses acontecimentos, uma das coisas mais interessantes desse ano foi a intensificação da guerra dos 16 bits entre Nintendo e Sega no Brasil. A discussão entre as duas empresas já existiam devido à briga entre Master System e Nintendo 8bits, contudo quando o SNES chegou no Brasil no final de 1993 a briga aqui entre Nintendo e Sega evoluiu para o ambiente de 16 bits. Em 1994 essa guerra era muito evidente e isso intensificou o mercado associado aos games.

Ávidos por notícias os gamers sempre necessitavam saber de qualquer novidade sobre o mercado de games. Lembremos que em 1994 e antes disso a Internet praticamente não existia no Brasil, por isso recorrer às revistas de games era  algo comum para buscar informação. Já existiam revistas tradicionais como Ação Games, Video Game, Game Power e Super Game, e como novidade nasceu em 1994 uma nova revista, fusão de duas revistas citadas anteriormente: A Super Game Power, nascida da Super Game que se focava na Sega e a Game Power que tinha foco na Nintendo.

Essa revista foi um dos ícones da minha pré-adolescência (junto com a revista Herói e a Sci Fi News) e por isso tenho boas lembranças dela. Vi nela várias notícias do SNES, Mega Drive, notícias da E3, o surgimento do Playstation, Saturn, 3D0, notícias do Visual Boy, evolução do Game Boy, o N64, até o surgimento do Playstation 2 e XBOX, que foi quando parei de acompanhar a revista, até porque estava com pouco dinheiro e não tinha esses consoles.

Tenho saudades da Revista e alguns de seus personagens/ comentaristas que eram praticamente personagens cativos pros leitores da Revista: Baby Betinho, especialista em games de luta; Lord Mathias, esportes; Marcelo Kamikaze, RPG; Marjorie Bros, a musa dos gamers; e o Chefe, maluco que comandava aquele grupo, entre outros.

      

Ainda lembro com carinho das cartas dos leitores, onde mandavam ilustrações tanto de alguns personagens de games como os personagens da revista (tá certo que tinha muitos desenhos mal feitos XD). Além disso, a revista lançava também edições especiais, tanto de games de lutas, dicas, códigos secretos, e também algumas seções como o Classificados, onde os leitores vendiam ou procuravam jogos e consoles.

Pois é, foi um bom tempo viver aquela época, pena que eu não acompanhei a revista até a sua última edição. Felizmente posso dizer que a revista foi uma boa referência para os gamers da época, e criou sua legião de fãs. Logicamente, lembro também que os gamers tinham certo carinho pela Ação Games (eu também gostava) e a Video Game, mas depois de algum tempo elas caíram de qualidade, e a migração pra Super Game Power foi algo natural. Tamanho gosto fazia com que eu comprava religiosamente todo mês essa revista, e com isso eu tinha uma coleção gigante.

 

Passou-se algum tempo, minha situação financeira não ajudava, e eu ficava mais ocupado com certas obrigações da vida. Assim, tive que tomar uma dura decisão: ou ia embora a coleção, ou viveria em uma situação chata. Infelizmente, foram-se todas as revistas para o Sebo, e um pedaço da minha infância também (e talvez um pouco da minha alma gamer), mas vivi com um pensamento feliz: a revista me ajudou a entender como era boa aquela época, livre da internet, onde a alegria da garotada era ir à locadora jogar games com os amigos, e conhecer novos amigos gamers. ^^

Pois é, saudades da minha coleção, saudades da revista, saudades dessa época.

Análise – Roupas de Code Geass para Tales of Graces F(PS3)

postado em by Zorakky categoria Análise | Deixe um comentário  

Hoje teremos um assunto diferente do de costume.

Hoje minha análise está nas roupas de DLC de Tales of Graces F para PS3

Mas antes de começar gostaria de esclarecer algumas coisas:

1º:Post comemorativo ao lançamento do jogo nas Américas(que será dia 13/3), e como sou fã da serie queria dar minhas opiniões.

2º:Não entendo nada de moda, este post é apenas para sua perda de tempo e diversão.

3º:Todas as Imagens pertencem ao video do canal AbysmalRetribution no Youtube, então, se forem reclamar da qualidade das imagens, reclamem com ele.

4º:Os vereditos para a nota estão em letras, indo de A a F, da melhor para a pior.

Asbel Lhant

Primeira roupa: Traje de soldado de elite Britanian de Suzaku

Para a primeira roupa a analisar, não está tão ruim, temos um traje branco, botas e luvas escuras, e alguns detalhes em dourado, apesar de que eu ODIAVA Suzaku no anime, até que ele era bem vestido(diferente de certas..cofcofcofKallencofcofcof), no geral, eu dou a Nota C, não é das melhores mas tambem não das piores.

Cheria Barnes

Segunda roupa: Traje rebelde(Não de RBD, está mais para Star Wars) de Kallen

Ok, o que combinaria com a personagem mais chata do jogo….roupas de ****? ….é, maybe…
Voltando ao assunto, este é o traje mais revelante que o jogo pode oferecer(estranho para um jogo japones…) o top está ligado a um shortinho colado, para o prazer dos safados de plantão, as meias exageradamente levantadas deixam o traje com cara menos de ****, meu veredicto final é D-, negativem-me se quiserem, mas minha nota é esta.

Richard

Terceira roupa: Traje de rebelde lider de Lelouch/Zero

Sei o que metade de vocês está pensando no momento, mas.. “oh boy, i love this costume”, o traje de Zero combina com a personalidade de Richard alem de ser digna de um rei, como Lelouch almejava na série, a capa é a parte chave desta roupa, sem a capa, seria apenas trajes de palhaço, eu dou a maior nota possivel para este traje: A+, se pudesse daria S, mas como não tem como…

Sophie

Ultima roupa: Traje da bruxa do Geass de C.C.

Ok, ja gastei tempo demais de vocês nesta matéria, mas juro que é a ultima, tenham paciencia.

Assim como C.C. , Sophie é a personagem que tem mais mistérios neste jogo, mas não vou me aprofundar nisso no momento, a questão é: deram a personagem estranha a roupa mais estranha, não parece muito fora do normal, e tambem parece ser a mais facil das 4 de se fazer um cosplay(caso você for mulher obviamente), para não enrrolar mais, dou nota B-, pela simplicidade e pela qualidade da roupa.

Ainda teria mais algumas roupas que eu gostaria de comentar(como a roupa de Judas de Tales of Destiny 2 para o Richard e as roupas de Idolmaster para o trio feminino), mas por hora, vo deixar apenas dessas 4.

Lembrando que esse DLC é ainda exclusivo do japão e não tem previsão para as versões Americanas e Européias.

That’s it, essa foi mais uma análise minha, espero que tenham gostado, e lembrem-se, joguem com moderação.

A visão de um Old Gamer

postado em by seiji categoria Análise | Deixe um comentário  

Não sou exatamente um gamer, ou melhor, não me considero mais um gamer fanático. Estou mais na categoria old gamer, de uma época em que jogava muito SNES, Mega Drive, PlayStation e N64.

Após o ano de 2001, não joguei praticamente mais nada. Os compromissos da vida como estudar fortemente para o vestibular, ralar dentro da universidade para se formar no prazo mínimo e organizar a vida depois de formado consumiram muito do meu tempo livre. Passaram-se os anos, os consoles foram evoluindo, os games, gráficos, velocidade de processamento, todas essas coisas evoluiram. De repente, quando eu percebo estou completamente obsoleto em relação aos games mais atuais, sendo uma espécie de dinossauro vivo nesse mundo acima dos 128 bits.

Somente a pouco tempo, questão de alguns meses atrás, acabei retornando meu interesse pelos games, especialmente por causa do lazer que ele me proporciona. Nesse meu período de ausência, vários consoles foram apresentados: Dreamcast, Playstation 2, XBOX, Nintendo Cube, Nintendo DS, Playstation 3, X BOX 360, Wii, PSP e Nintendo 3DS, que foi o que eu comprei. É notória a diferença ao longo dessas gerações, e como o tempo mudou. Os games comercializados via internet foram se consolidando no mercado. Desenvolvedores como a Steam e EA conseguiram obter sucesso vendendo seus jogos por meio de compra online, mostrando como essa forma de receita garante bons lucros. Aliás, percebo como os jogos online de MMO realmente explodiram. Ainda lembro que na época Counter Strike era a jogo da vez, e que o povo se reunia em locadoras para jogar games como Goldeneye no N64. Realmente, era um embrião para o que vinha acontecer no futuro no MMO de tiro. Hoje esses jogos podem ser nostálgicos, mas alguns estão muito obsoletos para a época em que vivemos. É duro admitir, mas estou velho mesmo >_<

Como eu disse no começo, não sou mais um gamer fanático, infelizmente. Passar horas jogando sem parar e varar a madrugada e combater o sono pelo simples prazer de somente jogar, realmente esse mundo não me pertence mais. Isso não significa que eu abandonei o mundo dos games, apenas mudei de nível de gamer hardcore para gamer pouco assíduo. E com essa visão, entendo alguns questionamentos do porquê os pais brigam com os filhos para que saiam da frente da tela. É tudo uma questão de entender o que significa diversão, e como os filhos deveriam administrar melhor o seu tempo disponível. Infelizmente não posso cuspir no prato que já comi, e dizer que a visão dos pais está totalmente correta. Também não posso dizer que estão errados e dizer que a vida gira somente em torno dos games. Nessa questão de ponto de vista, e o modo de certo de um gamer viver, todos estão corretos no seu modo de agir, desde que no futuro consigam olhar pra trás e reflitam se aproveitaram bem a vida enquanto jogavam alucinadamente.

Passado mais de 10 anos que retorno de minha vida de gamer, agora vivo feliz aqui com meu 3DS me divertindo, e olhar pra trás não parece algo ruim. A vida de gamer hardcore foi uma lição que aprendi e a nostalgia da infância ficará marcada pra sempre, assim espero e que venham as futuras gerações.

Bom, futuramente tentarei escrever mais postagens, focando em old games. Espero que tenham gostado e comentem!! ^^

Análise: Dead or Alive Dimensions(3DS)

postado em by Zorakky categoria Análise | 6 comentários

Sabemos que jogos de luta fazem sucesso, principalmente em consoles de mesa, a primeira coisa que deve se passar na cabeça das pessoas quando falam sobre jogos de luta
deve ser: Mortal Kombat, Street Fighter ou até mesmo King of Fighters, mas para alguns, Dead or Alive vem a cabeça.

Franquia não muito popular por essas bandas e até mesmo controversa, criado em 1996 para Arcade, Playstation One e Sega Saturn, é uma franquia de jogos de luta cujo a história
se passa durante o torneio nomeado Dead of Alive, contendo diversos tipos de lutadores, que usam golpes indo de Agarrões de Wrestling até poderes especiais(claro, isso não
poderia faltar),até 2010 a franquia tinha saido para Arcade, Consoles da Microsoft, Sega e Playstation, mas em Maio de 2011, isso mudou.

Lançado para Nintendo 3DS, Dead or Alive: Dimensions é o primeiro jogo da franquia a ser lançado para um console Nintendo e para um portatil(celular não conta) ao mesmo tempo,
o jogo foi bem recebido nas Americas com a média de notas de 7/8 e no japão, país de origem da serie, porem na Australia e Europa não podemos dizer o mesmo, o jogo chegou a ser
banido em países da Escandinavia após alguns dias de venda, logo em seguida, foi banido na Australia, mas desbanido após receber uma nova classificação indicativa.

Voltando ao assunto que realmente importa, o jogo é bom, mas não perfeito, ele tem o basico que deve ter em qualquer jogo de luta (Socos, Chutes e Agarrões), só que pra cada
ação tem um botão especifico(na Definição padrão do 3DS:A – Chute,B – Agarrão, X – Soco, Y – Agarrão defensivo), com esse esquema de botões, qualquer pessoa pode fazer um combo
basico, mas claro, como em qualquer jogo de luta, é preciso treino pra ser pró.

O jogo tem uma boa seleção de personagens: 26 (sendo que só da para selecionar 25 na tela de seleção), e uma vasta seleção de vestuario, principalmente para mulheres,
os Cenarios são bem trabalhados para um jogo de portatil, e os graficos estão decentes tambem para o inicio da vida do 3DS.

Mas nem tudo são flores, boa parte dos jogadores reclamam de alguns problemas, como: ao ativar o modo 3D do jogo, a taxa de Frames cai de 60 para 30 FPS, oque desaponta e não
incentiva o uso do modo 3D, outra reclamação é sobre o modo online do jogo, você pode procurar, mas quase nunca você encontrará gente jogando no online.

com centenas de figuras pra colecionar, e tentando bater seus records no Modo arcade, alem do modo TAG Challenge, que o jogador joga junto com o computador contra um oponente
ou com outra dupla, você perderá bastante tempo se divertindo no jogo, aumentaria ainda mais a vida util se o online fosse competente.

Essa foi a análise do jogo Dead or Alive: Dimensions para o nintendo 3DS, e lembrem-se Jogue com moderação.

« Anterios   1 2 3 4 5